segunda-feira, 31 de julho de 2017

Página em Branco






Página em Branco
Tenho uma página em branco e uma guitarra na mão
Ando nisto há quatro dias e não me sai a canção
Os cinzeiros já não chegam, tenho que os despejar
Pensei que um copo de vinho pudesse vir a ajudar

Mas só fico atordoado, sinto o vapor a subir
Imagino um crocodilo estupidamente a sorrir
O piano ficou surdo, não me dá atenção
Essas musas, essas bruxas roubaram-me a inspiração

Eu vou mas é descansar, deixar tudo espairecer
Entre os cantos de uma folha tudo pode acontecer
Neste grande espaço em branco só te quero dizer
Nananananana
Gosto de ti

Tenho uma página em branco, gostava de a preencher
Sem rabiscos, estes dados são coisas para inglês ver
Uma simples mancha negra pode ser solução
Perspectiva actualizada desta minha situação

Tenho uma página em branco e sinto a barba a crescer
Há tanta coisa a tratar, há tanta coisa a aprender
O relógio já me disse, nunca olhes para trás
E o ponteiro das horas insiste em não me deixar em paz

Eu vou mas é descansar, deixar tudo espairecer
Entre os cantos de uma folha tudo pode acontecer
Neste grande espaço em branco só te quero dizer
Nananananana

Neste grande espaço em branco, só te quero dizer

Nananananana, gosto de ti

..........

Jorge Palma - "Página em Branco"
(Videoclipe Oficial do tema Página em Branco
Álbum - Com Todo o Respeito (2011))





quinta-feira, 27 de julho de 2017

Ciclos de vida... OUTONO




          (Participação referente ao tema proposto por Ilustração Contemporânea Portuguesa para o mês de Dezembro de 2016)


Outono

O outono vem vindo, chegam melancolias,
cavam fundo no corpo,
instalam-se nas fendas; às vezes
por aí ficam com a chuva
apodrecendo;
ou então deixam marcas; as putas,
difíceis de apagar, de tão negras,
duras.

                                                                                   Eugénio de Andrade, in 'O Outro Nome da Terra'

....0....

José Afonso - Balada de Outono
(O último concerto de Zeca Afonso em 29 de Janeiro de 1983, no Coliseu)


quarta-feira, 26 de julho de 2017

"Tão Bela... Tão Sedutora..."




(Trabalho seleccionado e exposto no Salão Primavera do Casino Estoril em 1988) 


Alcool
  Guilhotinas, pelouros e castelos 
Resvalam longamente em procissão; 
Volteiam-me crepúsculos amarelos, 
Mordidos, doentios de roxidão. 

Batem asas d'auréola aos meus ouvidos, 
Grifam-me sons de côr e de perfumes, 
Ferem-me os olhos turbilhões de gumes, 
Desce-me a alma, sangram-me os sentidos. 

Respiro-me no ar que ao longe vem, 
Da luz que me ilumina participo; 
Quero reunir-me, e todo me dissipo - 
Luto, estrebucho... Em vão! Silvo pra além... 

Corro em volta de mim sem me encontrar... 
Tudo oscila e se abate como espuma... 
Um disco de ouro surge a voltear... 
Fecho os meus olhos com pavor da bruma... 

Que droga foi a que me inoculei? 
Ópio d'inferno em vez de paraíso?... 
Que sortilégio a mim próprio lancei? 
Como é que em dor genial eu me eterizo? 

Nem ópio nem morfina. O que me ardeu, 
Foi alcool mais raro e penetrante: 
É só de mim que eu ando delirante - 
Manhã tão forte que me anoiteceu. 
                                                                          Mário de Sá-Carneiro 


Beco - Lena D'água


Maldita Cocaína - Lena D'água

 (Teatro São Luiz em fev 94)

 

segunda-feira, 24 de julho de 2017

S. JULIÃO da BARRA




Ponto de referência litoral para os concelhos de Oeiras e Cascais tem encostado a si a a agradável Praia daTorre (Concelho de Oeiras) e a bela Praia de Carcavelos (Concelho de Cascais).

...O...

O Forte de São Julião da Barra  constitui o maior e mais completo complexo militar de defesa no estilo Vauban  remanescente em Portugal. ...”.


FORTE de S. JULIÃO da BARRA - CARCAVELOS



quarta-feira, 19 de julho de 2017

A NOITE



(Participação referente ao tema proposto por Ilustração Contemporânea Portuguesa para o mês de Fevereiro de 2017)



Fico Sozinho com o Universo Inteiro

Começa a haver meia-noite, e a haver sossego,
Por toda a parte das coisas sobrepostas,
Os andares vários da acumulação da vida...
Calaram o piano no terceiro andar...
Não oiço já passos no segundo andar...
No rés-do-chão o rádio está em silêncio...

Vai tudo dormir...

Fico sozinho com o universo inteiro.
Não quero ir à janela:
Se eu olhar, que de estrelas!
Que grandes silêncios maiores há no alto!
Que céu anticitadino! —
Antes, recluso,
Num desejo de não ser recluso,
Escuto ansiosamente os ruídos da rua...
Um automóvel — demasiado rápido! —
Os duplos passos em conversa falam-me...
O som de um portão que se fecha brusco dóí-me...

Vai tudo dormir...

Só eu velo, sonolentamente escutando,
Esperando
Qualquer coisa antes que durma...
Qualquer coisa.

                                                        Álvaro de Campos, in "Poemas"




Bernardo Sassetti - Noite (Alice)




segunda-feira, 10 de julho de 2017

SONHOS D'IRIS!!!





    Distante Melodia 
Num sonho d'Iris, morto a ouro e brasa,
Vem-me lembranças doutro Tempo azul
Que me oscilava entre véus de tule -
Um tempo esguio e leve, um tempo-Asa.

Então os meus sentidos eram côres,
Nasciam num jardim as minhas ansias,
Havia na minh'alma Outras distancias -
Distancias que o segui-las era flôres...

Caía Ouro se pensava Estrelas,
O luar batia sobre o meu alhear-me...
Noites-lagoas, como éreis belas
Sob terraços-liz de recordar-me!...

Idade acorde d'Inter sonho e Lua,
Onde as horas corriam sempre jade,
Onde a neblina era uma saudade,
E a luz - anseios de Princesa nua...

Balaústres de som, arcos de Amar,
Pontes de brilho, ogivas de perfume...
Dominio inexprimivel d'Ópio e lume
Que nunca mais, em côr, hei de habitar...

Tapêtes doutras Persias mais Oriente...
Cortinados de Chinas mais marfim...
Aureos Templos de ritos de setim...
Fontes correndo sombra, mansamente...

Zimbórios-panthéons de nostalgias...
Catedrais de ser-Eu por sobre o mar...
Escadas de honra, escadas só, ao ar...
Novas Byzancios-alma, outras Turquias...

Lembranças fluidas... cinza de brocado...
Irrealidade anil que em mim ondeia...
- Ao meu redór eu sou Rei exilado,
Vagabundo dum sonho de sereia...

                                            Mário de Sá-Carneiro, in 'Indícios de Oiro'


                                                         Amor Electro - "A Máquina"                                       


Amor Electro - "Só é fogo se queimar"