sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Ao Longe o Mar




Ao Longe O Mar
Madredeus

Porto calmo de abrigo
 De um futuro maior
 Inda não está perdido
 No presente temor

Não faz muito sentido
 Já não esperar o melhor
 Vem da névoa saindo
 A promessa anterior

Quando avistei
 Ao longe o mar
 Ali fiquei
 Parada a olhar

Sim, eu canto a vontade
 Canto o teu despertar
 E abraçando a saudade
 Canto o tempo a passar

Quando avistei
 Ao longe o mar
 Ali fiquei
 Parada a olhar

Quando avistei
 Ao longe o mar
 Sem querer deixei-me
 Ali ficar



Ao Longe O Mar




                            Madredeus

NOTA: 

      “Surripiei” a imagem que está em primeiro plano (Jeanette Nolan in Macbeth (1948)) daqui e adaptei-a ao contexto… que me desculpem os mais puristas!


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Além… para lá daquele horizonte...




Paz
Irreprimível natureza
exacta medida do sem-fim
não atinjas outras distâncias
que existem dentro de mim.

Que os meus outros rostos não sejam
o instável pretexto da minha essência.
Possam meus rios confluir
para o mar duma só consciência.


Quero que suba à minha fronte 
a serenidade desta condição:
harmonia exterior à estátua
que sabe que não tem coração.
                                                          Natália Correia, in "Poemas (1955)"



                                         Rodrigo Leão